Pular para o conteúdo
Home > Liderança > A importância da comunicação não violenta para líderes
Home > Liderança > A importância da comunicação não violenta para líderes

A importância da comunicação não violenta para líderes

Entre as soft skills mais importantes para uma gestão humanizada, a comunicação não violenta entra como uma das mais desejadas competências para líderes do futuro. A comunicação nas empresas sempre foi um grande desafio, afinal, na nossa cultura era muito comum lideranças autoritárias, agressivas e muito distantes dos seus colaboradores. 

Uma das maiores queixas no ambiente corporativo, segundo pesquisa da GPTW, é a ausência de conversas abertas por medo da exposição de sentimentos com seus líderes. E isso causa muitos outros problemas no bem-estar organizacional e nas relações entre equipes, o que consequentemente aumenta a rotatividade de colaboradores, a segurança psicológica dos colaboradores, entre outras questões. 

Os tempos mudaram e continuam mudando, atualmente a gestão humanizada ganhou espaço nas empresas que prezam pela inovação. A verdade é que a comunicação não violenta é essencial para melhorar processos organizacionais e mais importante, construir relações saudáveis no ambiente de trabalho. 

O que é a comunicação não violenta

Comunicação não violenta representada por um telefone

Esse termo surgiu nos anos 60 com o psicólogo Marshall Rosenberg, que defendia uma conversa e escuta transparente, consciente, empática e sem ofensas para melhorar as relações humanas. A comunicação não violenta é essencial para aprimorar qualquer conexão, seja interpessoal, seja com outras pessoas, seja na vida pessoal, seja na vida profissional. 

Segundo o Instituto CNV do Brasil, a comunicação não violenta é uma prática que traz mais consciência de si, de como o outro nos afeta e de como reagimos no mundo em que vivemos. Por isso, é tão importante trazer esse conceito inovador para dentro da empresa. 

Quando falamos de comunicação não violenta, falamos de uma forma de construir uma cultura organizacional humanizada, com líderes qualificados e capazes de gerir uma equipe através da transparência, da confiança, da parceria e com uma comunicação assertiva, que preza clareza e empatia. 

Os pilares da comunicação não violenta

Segundo os estudos de Rosenberg, existem quatro bases principais da comunicação não violenta, assim para que ela aconteça em qualquer situação é necessário: 

  1. Observação;
  2. Sentimento;
  3. Necessidade;
  4. Pedido. 

Vamos entender melhor esses pilares, mas antes, é importante lembrar que o objetivo desses pilares é guiar a forma de se comunicar e pode ser aplicado no dia a dia de líderes e liderados da empresa. 

#1 Observação 

O primeiro passo para uma comunicação não violenta é observar, sem julgamentos, os fatos, falas e ações do outro. E essa pode ser uma das maiores dificuldades do ser humano, que está acostumado a colocar suas perspectivas e crenças em suas análises. 

O importante neste pilar é não tirar conclusões precipitadas e baseadas no que você acha em uma conversa, e sim do que está de fato acontecendo. 

#2 Sentimento

Após observar a situação, o segundo passo é identificar os sentimentos causados no cenário que você se encontra e nomeá-los. Também é essencial nessa fase entender que os seus sentimentos estão apenas dentro de você, são sua responsabilidade.

Se você entende seus sentimentos e consegue ser vulnerável com suas emoções, você também consegue assim construir uma comunicação mais assertiva e empática. 

#3 Necessidade 

Todos nós, seres humanos, entramos em conflito quando alguma de nossas necessidades não são atendidas. Existem algumas necessidades universais de toda e qualquer pessoa, e nessa fase cabe a você identificar qual delas não foi considerada na situação que você se encontra. 

E mais importante do que entender quais necessidades não foram atendidas, é comunicar isso ao outro, com intuito de compartilhar seus sentimentos. 

#4 Pedido

O último pilar, após observar, sentir e analisar, é hora de fazer um pedido para que suas necessidades sejam atendidas. Para isso, é muito importante usar uma linguagem clara, assertiva para que não haja barreiras na comunicação. 

Essa última etapa é uma forma de substituir uma ordem por um pedido positivo, sem parecer algo impositivo e que dê a liberdade de escolha para a pessoa na qual você está se comunicando. 

Os benefícios da comunicação não violenta na empresa

A comunicação sempre foi um dos maiores desafios, mas quando assertiva, é essencial para mudar todo o cenário de uma organização. Não só alinhar e evitar ruídos entre os colaboradores, mas também mudar toda a relação entre as pessoas. 

Nesse cenário, a comunicação não violenta entra para mudar o mundo corporativo e ajudar em uma nova proposta de gestão, além de que, essa soft skill traz muitos benefícios para a empresa, vamos conferir os principais: 

  1. Melhora as relações entre os integrantes de um time e da empresa no geral. 
  2. Comunicação mais assertiva, clara e direta, evitando assim ruídos e problemas futuros. 
  3. Redução de conflitos, do turnover e problemas relacionados à gestão de pessoas.
  4. Melhora a definição de objetivos e metas, e consequentemente, os resultados da empresa.
  5. Melhora o clima organizacional e a satisfação dos colaboradores. 
  6. Melhora as conversas de avaliação de desempenho e feedbacks no geral.

Comunicação não violenta e liderança

Sabe aquela ideia de uma liderança rígida, violenta e inflexível? Isso está se tornando ultrapassado, visto que empresas inovadoras e os líderes mais influentes estão se adaptando a uma nova realidade e trazendo um novo conceito de liderança. 

E como vimos, a comunicação não violenta faz parte desse processo, além de trazer diversos benefícios para a empresa. Dados comprovam que a nova liderança está sendo essencial para gerar melhores resultados. Segundo pesquisa da Gallup, por exemplo, líderes que se comunicam melhor com seus liderados, conseguem mantê-los engajados e interessados em se manter na empresa. 

Mas o que fazer para se adaptar a esse novo cenário e se comunicar melhor com os colaboradores no dia a dia? 

Nem todos estamos acostumados a prestar atenção na nossa comunicação, tudo acontece no automático, mas não é de uma hora para a outra que essa realidade irá mudar. Então o primeiro passo para uma nova liderança é se conhecer, perceber como você se relaciona com as pessoas no mundo corporativo e treinar a comunicação não violenta consigo mesmo. E aí, o próximo passo é treinar em outros meios sociais, com o tempo, isso se torna natural e vai fazer parte da sua gestão. 

Comunicação não violenta e comunicação assertiva

Quando falamos em comunicação assertiva, estamos falando sobre conversas claras e com um posicionamento. Mas o que muitos confundem é uma fala assertiva com uma fala agressiva, e é aí que entra a comunicação não violenta, pois ajuda todos os profissionais interajam de forma empática. 

Ser assertivo na comunicação facilita a vida de todos dentro da empresa, além de melhorar as relações. Mas de nada adianta passar uma mensagem muitas vezes clara, honesta, se o tom de voz é agressivo. 

A comunicação não violenta anda de mãos dadas com a comunicação assertiva, com a inteligência emocional e, teoricamente, deveriam andar junto com as novas lideranças. 

Se você é um líder ou tem como objetivo se tornar um, é essencial desenvolver soft skills comportamentais que visam a melhor gestão de pessoas, tais como gestão de tempo, comunicação não violenta e inteligência emocional. Por isso, a Elofy vai oferecer uma jornada que vai te ajudar a aprimorar competências das novas lideranças. O evento acontecerá nos dias 10,11 e 12 de maio, se increva aqui.

Gostou do Artigo?   Compartilhe

guest
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Fique por dentro de nossos conteúdos e novidades sobre nosso produto